Pesquisar neste blog

domingo, 30 de maio de 2010

PROJETO COPA DO MUNDO 2010

Alô garotada linda do terceiro ano B! Estamos iniciando o PROJETO COPA DO MUNDO 2010! Cada turma vai estudar sobre um dos países participantes e no sorteio, ficamos com PORTUGAL! Então, mãos à obra! vamos pesquisar tudo que pudermos e levar para a sala de aula! Faremos um mural bem bonito para enfeitar a nossa Escola e juntos, vamos aprender muito! É claro que vamos torcer pelo Brasil não é?? Também vamos pesquisar sobre os nossos jogadores, o nosso futebol e é claro, sobre a África do Sul, o país-sede da COPA 2010! Temos tempo de sobra para estudar e, enquanto nos divertimos nessa pesquisa vamos desenvolver a leitura, a produção de textos, nossos conhecimentos gerais e matemáticos. Um grande beijo a todos vocês!

domingo, 23 de maio de 2010

LINK DO TEXTO ABAIXO


http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.kribensis.kit.net/conteudo/artemia.jpg&imgrefurl=http://www.kribensis.kit.net/conteudo/alimento.htm&h=1031&w=623&sz=84&tbnid=9IFEfkD8H9nu2M:&tbnh=150&tbnw=91&prev=/images%3Fq%3Dartemias&hl=pt-BR&usg=__xYq6v_HWIi7vIw4Hrfp8j4ByKXM=&ei=_aL5S8-JCYaHuAfjsPG9Dg&sa=X&oi=image_result&resnum=7&ct=image&ved=0CDAQ9QEwBg

CURIOSIDADES SOBRE AS ARTEMIAS

A Artemia sp, conhecida também como camarão de salmora é um microcrustaceo, braquiópoda, pertencente ao filo Arthropoda, (Storer, 1991). Esta espécie está distribuída pelo mundo, sendo considerada cosmopolita e adaptada a um amplo alcance de ambientes (Medel, 1997).

Dependendo dos diferentes parâmetros fisiológicos e bioquímicos do ambiente, as populações de Artemia se reproduzem sexualmente ou parterogeneticamente, liberando náuplios ou cistos (Costa, 1985).

Esta espécie está adaptada à grande mudança ambiental, como variações abruptas de salinidade, de temperatura e de oxigênio dissolvido (Bayly, 1972).

Apresentam-se como excelente dieta alimentar para peixes e crustáceos no ambiente natural, devido a isso preferem habitar locais com difícil sobrevivência para outras espécies , como salinas que atingem temperaturas de até 40ºC e salinidade de até 300 partes por mil, pois são menos predadas (Medel, 1997).

As Artêmias são ricas em proteínas, vitaminas (caroteno) e sais minerais, por isso são utilizadas em larga escala em cultivo de camarões e peixes na fase larval, acelerando o crescimento dos animais, recuperando os indivíduos doentes, deixando-os mais sadios.

Apresentam também, rusticidade operacional , facilidade no cultivo, no manejo, na estocagem do cisto e tamanho ideal para alimentar as larvas (Costa op. cit.).

O habitar nativo da Artemia sp aqui na Região dos Lagos, estado do Rio de Janeiro, Brasil, é a Lagoa de Araruama, uma lagoa costeira hipersalina, que foi formada cerca de cinco mil anos atrás devido aos movimentos de avanços e recuos do mar, formando uma língua de areia, que a separou do oceano, deixando porém, um canal de comunicação permanente, o Canal de Itajurú. Este canal ainda é a fonte de alimento deste ambiente , pois é através dele que ocorre a renovação da água e a entrada de animais e plantas (Barroso,1987).
Biologia

Artemia:
O corpo está dividido em cabeça, tórax e abdome. A cabeça consiste de dois segmentos fusionados que suportam dois olhos pedunculados, um olho naúpilo, assim como as antênulas e antenas. As antênulas filiformes estão localizadas na parte dorsal. As antenas dos machos são transformadas em órgãos de preenssão. Nas fêmeas elas são curtas e foliáceas.

Cistos:
Diâmetro médio de 0,2 a 0,3 mm com peso entre 2,8 a 4 mg.

Jovem Naúpilo:
Tamanho de 0,45 mm de comprimento e 0,1mm de largura com peso de 0,01 mg. Passa de metanaúpilo fase I e II graças as reservas vitelinas. Durante os próximos 7 a 10 dias passa para os estágios metanaúpilo III e IV, que diferem um do outro no grau de segmentação do corpo, na transformação da 2ª antena e na aparência das pernas torácicas. Durante esse período o corpo aumenta de 0,5 para 2,5 a 4 mm.

Jovem:
Com 5 a 6 mm até adulto 15 a 16 mm. Estão quase sempre acasalando. Crescimento - 15 estágios do ovo até a maturidade sexual que é atingida em duas etapas. Podem produzir 200 náuplios a cada cinco dias. Período de vida 21 dias.(Costa,1984)

Ovos:
Os ovos são divididos em ovários pares, que se situam nos dois lados do trato digestivo, atrás dos toracópodos. Uma vez maduros os ovócitos são transferidos via ovidutos para dentro do útero. Neste momento se efetua a copulação. O macho flexiona seu abdome para frente e uma da patas que possui é introduzida na abertura do útero onde os esperma são depositados. O que irá determinar se a fêmea será ovípara ou ovovivípara serão os fatores ambientais, um exemplo destes fatores é a alta salinidade.


Fatores ambientais

Salinidade:
Entre 3 e 300 partes por mil.

Oxigênio :
No mínimo de 1 a 2 mg/l. Ótimo entorno de 4mg/l. Pode sobreviver a baixos teores de oxigênio
( 1 mg/litro ) aonde apresenta uma cor avermelhada ( aumento de hemolinfa ).

Temperatura :
Suporta de 5ºC a 40ºC (ótimo de 25ºC a 28ºC).

Luz :
Sensíveis a luz devido aos seus olhos compostos.

pH :
O mesmo da lagoa aproximadamente 8,0.

Crescimento:
O crescimento da Artemia envolve uma série de mudas, passando por estágios do ovo até a maturidade sexual que é atingida em duas semanas e podem produzir cerca de 200 náuplios a cada cinco dias. O ciclo de vida da Artemia, se fecha em 21 dias (Costa.1984).

Reprodução:
A Artemia sp reproduz-se por partenogênese ou sexualmente. A précopulação da Artemia é iniciada por um macho comprimindo a membrana do útero e o último par de toracópodos com seu garfo muscular. O casal nada assim por um longo período de tempo, batendo seus toracópodos em movimento sincronizado. Os ovos são divididos em ovários pares, que se situam nos dois lados do trato digestivo, atrás dos toracópodos. Uma vez maduros os ovócitos são transferidos via ovidutos para dentro do útero.

Obtenção de cistos:
O encontrado na literatura para provocar a oviparidade (fazer com que a fêmea solte seus cistos) é a provocação do stress ambiental. Obtenção direta de náuplios. A ovoviparidade obten-se na criação direta com salinidade de 30 a 80 partes por mil .
Cultura de algas para alimentação de Artemia sp
Iniciar a cultura com 100 ml de água da lagoa com o algamete de salinas e repicar Até 250 l (Baeta Neves, 1998 comunic. Pessoal).

Alimentação

A Artemia salina obtém seu alimento pela filtração da água, podendo ingerir
alimento com um tamanho de 5 a 50 micron.

Sugestões:

Cyanofícea: Aphanothece stagnina, Spirulina subsalsa
Haptophyceae:Isochrysis galbana
Chrysophyceae: Monochysis lutheri
Bacilariophyceae: Phaedodactilum thcornutum, Thalassiosita pseudonana
Prasinophyceae:Platymonas suecica
Chlorophyceae: Chlamydomonas palla, Chlotella stigmatophora,
Punaliela tertiolecta, Nannochloris oculata.

Cultivo de Artemia sp em ambiente natural:

Usar tanques com a lamina dágua entre 45 a 50 cm. Usar a água da laguna bombeada. Inocular náupilos de Artêmia numa quantidade de 600 náuplios por litro com a salinidade entre 80 a 100 partes por mil, flutuação da salinidade entre 100 a 250 partes por mil. Temperatura entre 25 a 35 ºC.

Conclusão:


Este microcrustaceo é amplamente utilizado na aqüicultura, para alimentar as diversas fases larvais e pós- larvais de peixes e crustáceos. Os náuplios de Artêmia tem um alto valor nutritivo, larvas com poucas horas de vida possuem: 42 % de proteinas, 23,2 % de gordura e 6 calorias por grama, enquanto o juvenil com 6 dias tem 59,72 % de proteina, 7,0 % de gordura. Os indivíduos adultos com 10 dias tem 62,78% de proteinas e 6,5 % de gordura. O corpo de Artemia sp desde a fase de náuplio até adulto, não possui carapaça rígida de quitina, facilitando a alimentação dos peixes e camarões nas fases larvas e pós-larvas já que o aproveitamento é total.

AS ARTÊMIAS

Clique nos links e leia um pouco mais sobre esse curioso tipo de vida AS ARTÊMIAS

http://www.aquallun.com.br/artemias.htm
Esta semana, estaremos dando continuidade ao estudo dos CICLOS DE VIDA no projeto CIENCIA EM FOCO do CTC. Para começar, vamos dar uma olhadinha nos vídeos e visitar os links abaixo:

video

domingo, 2 de maio de 2010
















Alguns Momentos...










PASSEIO TURÍSTICO


Comemorando os cinquenta anos de nossa capital, realizamos um passeio turístico na última quinta.feira, dia 29/04. Saímos da Escola logo cedo e fomos direto ao Memorial JK, onde as crianças puderam ver de perto o que estudaram durane o mês. Algumas crianças se emocionaram e mesmo derramaram lágrimas ao visitarem o túmulo de Juscelino Kubistschek, ao verem todo o acervo do museu, da bilioteca etc.
Depois fomos ao Museu do povo indígena! Que maravilha! as crianças ficaram eufóricas e iam de um lado para outro apreciando os objetos expostos e fazendo perguntas e, é claro, querendo tirar fotos ali, para registrarem presença!

Saindo do Museu Indígena...já era um pouco tarde...lancharam ali mesmo, no gramado em frente. Em seguida, para apriveitar as horas que restavam, fizemos um tour, mesmo sem descer do ônibus, passando pela torre de TV, esplanada dos Ministérios, Ponte JK, Teatro Nacional...

Para mim, é impossível descrever a alegria das crianças! Simplesmente elas gritavam...não um grito qualquer, mas eram gritos de êxtase arrancado do fundo do coração deles, ao verem de perto o que muitos só tinham visto nos livros e na TV.

Foram momentos marcantes para eles e para mim. Em quase vinte anos, nunca tinha visto tanta vibração por parte dos meus alunos ao conhecerem a Cidade de Brasilia. Durante esta semana que se inicia, teremos muito o que comentar e registrar sobre esse passeio!